.

.
“A Maioria das pessoas preferiria morrer à pensar; de fato, muitas o fazem.”

sábado, 18 de setembro de 2010

Amar é para fracos.



Tendo considerado algumas longas conversas com um amigo que faz Pedagogia e depois de um comentário simples, mas totalmente verdadeiro do Senhor Bossa,  do O Variado, conclui que realmente e cientificamente amar é para fracos. Algumas pessoas provavelmente acharam esse comentário um tanto quanto frio, e uma ratificação da minha parte mais fria ainda, mas espere antes de nos achar pessoas frias e abomináveis e não pare de ler agora pra me xingar no forms LEIA.. Como já se sabe , o cérebro , que faz parte do sistema nervoso central, comanda todas as atividades corporais, tanto de pensamento, raciocínio, como os próprios sentimentos. Sim. O cérebro que ama, o cérebro que sente saudade, o cérebro que sofre. Você é seu cérebro. Ele é o único órgão que tem consciência da sua própria existência,  ele pensa sobre ele. Ele age  para se auto desvendar, quando nos ajuda a resolver seus próprios minstérios, em pesquisas, com ele mesmo. Confuso, paradoxal, mas fascinante. Então, na verdade, sentimentos são psicológicos, não existem a menos que você queira que eles existam. O mais clichê de todos. o AMOR. O queridinho de qualquer novela, livro, história, conto, fábula, teatro, ou qualquer outra coisa. Que nojento é o amor. A maioria da população que não tem auto controle suficiente para controlá-lo, acaba submetendo o própria cérebro a ele mesmo, através de um sentimento que nós faz ter ações involuntárias, e impensadas. Percebeu o quão desordenado é isso? Um cara chamado amor, que é feito ' pelo cérebro, consegue fazer com que o mesmo 'embole' todas as suas outras funções, acelera a sua respiração, sendo que você NÃO precisa de mais ar, não te deixa pensar e mais nada, quando há um MONTE de coisa que você tem que pensar e ainda te deixa tremendo, zombando totalmente do controle que o cérebro tem sobre o corpo e ainda é idolatrado pela maioria da população. Amor é para fracos, que deixam com que seus perfeitos órgão cerebrais sejam submetidos a isso. O amor zomba de você mesmo.ACORDE. Ser forte é ter auto controle. É não amar se você não quiser amar. É não ficar triste se você não quiser ficar e não derramar uma lágrima sequer, se você quiser que elas permaneçam em seu lugar de origem. Falo falo. Escrevo e escrevo. Mas eu mesma não sou forte o bastante para isso. AINDA. é uma meta de vida. Então, agora, cai-se num grande tabu, você preferiria ser controlada pelo amor e não saber as consequências de uma possível reviravolta desse sentimento tão bipolar, ou viver numa vida em que você controla suas emoções? Muita gente diz que a graça de viver é justamente isso, as reviravoltas da vida, mas já não temos problemas demais para que os sentimentos venham e baguncem mais a nossa vida? Pode ser uma visão fria da coisa, mas é uma visão realista. Amar é muito bom, mas como eu disse, ele pode chegar a pontos que fazem mal à seu próprio ser e se você não sabe controlar isso, pode ser perigoso. Você pode se ferir por algo ou alguém que no fim nem vale tanto a pena assim. Você pode perder a chance da sua vida. Você pode perder a pessoa da sua vida quando fica presa a outra por mero capricho amoroso. Um amor que te faz mal e você não sabe como eliminá-lo pode acabar com a sua chance de ter um relacionamento saudável. Não estou dizendo, " não amem" , mas é tão bom quando você se sente desconfortável em algum lugar e pode simplesmente sair. Agora, quando você não sabe como abrir a porta, o que fazer? Continuar deixando ela a mercê do amor ? Que abrirá a hora que ele quiser desrespeitando o seu próprio querer? Ou ter sempre uma chave para sair e se libertar e talvez encontrar uma sala mais confortável? Será que você é realmente forte para isso? Roube a chave. A escolha é sua, ou não.
 

Para facilitar, me chame de ateu. Copyright © 2010 Flower Garden is Designed by José Felipe for Tadpole's Notez Flower Image by Rebeca chuffi.