sábado, 12 de fevereiro de 2011

Carta ao meu cérebro



Querido cérebro,
            
                  Venho humildemente comunicar-lhe que a partir de agora estou realmente me mudando, vou tirar umas férias. Isso mesmo eu já tinha ido embora uma vez, mas voltei na esperança, na vã esperança de que alguma coisa poderia mudar pra mim. Simplesmente eu não nasci para isso. Sabe aqueles pulmões que não fazem seu trabalho direito e você ainda fuma pra acabar logo com qualquer chance de dar certo? Então, aqui estou eu, um coração que não serve para isso. Eu não sirvo para amar. E quanto mais esse estúpido do meu cérebro insiste em fazer com que eu me apaixone, pior ficam as coisas. Então, cérebro querido, pare de forçar a barra.  Pare de ser estúpido e concentre-se na matemática, que é só o que você faz direito. Vá fazer continhas. Vá derivar, integrar, pensar. Desiste dessa área sentimental porque está ficando patético. Estou tirando umas férias, então nem se você quiser vai poder me colocar numa enrascada dessas novamente, ouviu ? Então, aproveite esse tempo e faça com que esse ser que calcula SÓ calcule mesmo, volte com a razão que predominava nele. Volte com a lógica de uma mente ateia. Pense, seja racional.  Ser um cérebro não pressupõe ser racional ? Então faça o seu trabalho e não invente mais. Esquecer é fácil, QUERER esquecer que é o problema. Mas está decidido, eu QUERO esquecer, então trate de querer também. Você é muito engraçadinho, fica inventando moda o tempo todo , mas depois quem sofre sou eu. Dói em mim. Quem fica mal sou eu. E aí ? Eu atrapalho todo o seu funcionamento, pois infelizmente o emocional influencia mais do que deveria numa pessoa. Bem mais do que deveria. Então vamos fazer um 'combinado'. Eu dou uma saída e você restaura a rebeca aí sem mim, deixa ela como sempre foi ! Alguém que não se abala fácil. Alguém que não se apaixona fácil. Alguém que não ama fácil. Acredite, é mais seguro pra ela, porque outra dessa pode não dar pra restaurar. Enfim, é isso, estou chateado com você,  não volte a fazer isso pode ser, pare de ser estúpido. Vá brincar com os seus números e me deixe descansar. Mesmo sendo o músculo mais forte do corpo, tudo tem seu limite. Até qualquer dia, isso SE eu voltar algum dia. Aprenda a se virar, olha que ridículo, agora estou dando uma de cérebro, que vergonha ein ?

Ass: Coração.

5 comentários:

Anônimo disse...

depois de mais de um ano seu coração acha mesmo que não serve pra isso? só porque acabou não quer dizer que tenha sido em vão.

Rebeca Chuffi on 3 de março de 2011 20:23 disse...

Não disse que foi em vão. Só disse que não quero mais.

marina on 12 de março de 2011 10:37 disse...

você não quer mais esse... os próximos serão outros

Rebeca Chuffi disse...

hahahaha. Esta aí escrita a minha vontade, o meu sonho utópico. Infelizmente isso é só uma idealização.Bom, mas eu estou tranquila... saem textos um tanto quanto dramáticos porque uma pessoas que não é emotiva, quando fica é complicado. Mas já me recompus, estou tranquila, simplesmente me concentrarei em coisas menos perigosas que tenham mais lógicas ahuehusha. Vamos ver se eu escapo de um novo golpe.

Kainã ribeiro on 24 de julho de 2011 19:22 disse...

Golpes sempre vão existir, é triste reconhecer. A gente sabe que ainda vai sofrer muito acho que é o que todos dizem “é a vida...” mas sei lá, essa dor em relação ao amor é complicada... porque do mesmo jeito que o sofrimento de quando se leva um golpe pode ser uma das piores coisas da vida, a felicidade a sensação de estar apaixonado faz tudo valer a pena.

Postar um comentário

 

Para facilitar, me chame de ateu. Copyright © 2010 Flower Garden is Designed by José Felipe for Tadpole's Notez Flower Image by Rebeca chuffi.