.

.
“A Maioria das pessoas preferiria morrer à pensar; de fato, muitas o fazem.”

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Moda, é possível fugir dela?



           
                 Moda. Modinha. Todo mundo é influenciado por ela querendo ou não. A lógica é bem simples, desde a Grécia Antiga, havia estereótipos nos quais as pessoas se espelhavam, parâmetros e isso foi um fato recorrente em todas as etapas da humanidade. Podemos exemplificar de maneira física. Quando você coloca a mão na água morna, e depois na água quente, essa água morna trará a sensação de que está mais fria que a água quente, agora se você colocar a mão na água morna e depois na água fria, essa água morna será mais quente, ou seja? Tudo que formos fazer, pensar ou julgar tem um certo ponto referencial, uma partida, se você muda esse pondo referencial tudo muda. O que eu estou querendo dizer com tudo isso, é que o modo como os Gregos admiravam a perfeição dos " Deuses Gregos" de nada mudou para a nossa percepção, hoje os estereótipos são diferentes, mas eles ainda existem. Enfim, a moda não é nada mais do que um padrão que o mundo tem, para que a gente se baseie em alguma coisa, pois isso é inevitável, nós não podemos ser contra ou a favor de algo não concreto. Tem pessoas que adoram andar na moda, porque acham bonito, outras que gostam só porque está na moda. e outras que não usam justamente porque está na moda. Independente do que seja, você tem que usar o que você se sentir bem usando. Ao meu ver, o tolo que usa coisas só porque estão na modinha, é tão tolo quanto o que não usa só porque está na modinha. Um é uma forma de alienação e o outro um preconceito que gera alienação. A antiga Geração era baseada na cópia, no mais simples, essa era a moda, ficar mais parecido com tal pessoa, hoje em dia isso ainda existe, mas a nova 'moda', resume-se simplesmente na negação na própria moda, as pessoas querem parecer o mais diferente possível de tudo que já tenham visto, logo, por mais que elas tentem fugir de um padrão, essa própria fuga está virando um padrão. Olhe a sua volta, quando você pensa que já viu de tudo, as passarelas mostram coisas que você nunca tinha nem sequer cogitado a possibilidade de estar usando, e assim, vai ficando cada vez mais diferente. Penso que quando as possibilidades do mais estranho estiverem se esgotando, a moda começará a regredir em termos de  simplicidade, as roupas vão ficar cada vez mais 'normais', para depois o processo recomeçar. E no meio disso, como ficamos? Não se deve criticar a moda, porque todo mundo a segue de um jeito ou de outro, duvido alguém dizer que não segue, tudo é moda, todo mundo influencia e é influenciado e vai ser sempre assim, por mais que algumas pessoas não admitam. Tudo é estranho, você pode achar paradoxal, mas pense, o ser humano é tão subjetivo, sujeito a tantas emoções, acho que não seria tão estranho assim se esse ser cheio de conflitos julgasse o estranho como normal e o normal como estranho, num mundo em que vence quem se diferencia, não cabe mais certos preconceitos, pensamentos arcaicos que barram o pensamento lógico de um ser. Se é colorido, branco e preto, brilhante, sem cor, alto, baixo, curto, amarelo, vermelho, simples, esdrúxulo, quem liga?não, não se pode fugir da moda. Vista o que você quiser e seja feliz, seus parâmetros é você quem escolhe.

2 comentários:

O Variado on 14 de agosto de 2010 05:01 disse...

Ótima argumentação *----*
Concordo com o texto plenamente. Não há como fugir da moda. Fato.

Aria on 10 de julho de 2015 13:19 disse...

Adorei seu texto! Me visto da forma que gosto e quando vejo segui tendências sem nem ao menos ter procurado por elas, é muito sutil como as informações entram na nossa cabeça e os referenciais que nós seguimos nos induzem. Coisa de louco. Parabéns!

Postar um comentário

 

Para facilitar, me chame de ateu. Copyright © 2010 Flower Garden is Designed by José Felipe for Tadpole's Notez Flower Image by Rebeca chuffi.